Evangélicos: a estranha obsessão da imprensa

Texto indicado pelo pastor Marcos Souza Borges, o Coty, no Facebook, que reproduzimos aqui para reflexão conjunta:

Subscrevo a indignação do juiz federal William Douglas. A famosa “imparcialidade jornalística” comprova ser o que descobri ainda na faculdade: uma fábula bem elaborada. Ela existe tanto quanto gnomos: nunca a conheci em nenhuma empresa jornalística em que trabalhei. Na abordagem de uma reportagem, na escolha das palavras, na forma como se apresenta o fato, sempre há um viés, uma ideologia, uma cosmovisão, um interesse, um ou mais profissionais com tendências pessoais ou corporativas que conduzem a narrativa.

Segue-se o texto de William:

“IMPORTÂNCIA DA IMPRENSA

William Douglas, juiz federal, professor e escritor.

Citarei três casos e depois comentarei.

Caso 1.

A imprensa publica foto do juiz Marcelo Bretas em uma academia, dizendo que de lá acompanhou diligências policiais. Óbvia insinuação de que o juiz não estava no local de trabalho. Só faltou dizer que não era horário de expediente, foi entre 6 e 8 da manhã.

Caso 2.

A imprensa noticia que o Presidente nomeou um pastor presbiteriano para a Comissão de Ética. Só faltou dizer que o nomeado, entre outras qualificações, é Doutor pela USP, Mestre pela Mackenzie, instituição onde já foi Reitor. Esqueceu de dizer que é advogado e membro do conselho deliberativo da Santa Casa de Santos.

Caso 3.

Rubens Teixeira, mais de uma vez nomeado para relevantes cargos públicos, foi anunciado unicamente como “pastor da Assembleia de Deus”. A mídia só não disse que ele é Doutor em Economia (UFF), Mestre em Engenharia Nuclear (IME) e bacharel em Engenharia Civil (IME), Direito (UFRJ) e Ciências Militares (AMAN). Esqueceu de anotar que, além de outras qualificações, é analista do BACEN e escritor best sellers com livros já traduzidos para inglês, espanhol e leto.

Ora, é óbvio que ser pastor não desqualifica ninguém, mas causa estranheza que a imprensa seja tão obcecada com a religião a ponto de IGNORAR as qualificações relacionadas aos cargos.

Curioso que falam tanto em estado laico, sem nem saber direito o que isso é, mas são os primeiros a tacharem pessoas por seus credos e limitar qualquer notícia a esse predicado.

Ao meu sentir, temos uma imprensa que não está cumprindo o papel de informar nem está sendo leal e “laica”. Isso me parece preconceito religioso e serviço mal feito. A falta de informação suficiente induz nos leitores o entendimento de que as indicações do Dr. Ribeiro e do Dr Teixeira se basearam unicamente no fato de serem pastores evangélicos, sendo essa a única qualificação mencionada nas matérias. A indicação para uma função técnica e pública faz com que seja necessário pesquisar as aptidões acadêmicas e a experiência profissional para o exercício do cargo. Sem esses cuidados básicos, a imprensa desinforma, e isto é o oposto de sua missão.

Além disso, é violação dos direitos humanos discriminar alguém por sua fé.

Lamentável, portanto, que atividade tão preciosa quanto a liberdade de imprensa seja mal utilizada. Mais lamentável ainda é sabermos que o abuso das meias verdades, da manipulação, da afronta aos direitos humanos, e a deslealdade, vai minando a credibilidade da imprensa. E todos nós precisamos da imprensa, ao menos quando ela age como tal e não como veículo de informação parcial e enviesada.

O caso 1 trata da perseguição a magistrados e os dois outros de perseguição religiosa. A quem interessa desconstruir e desconstituir a magistratura? Qual a autoridade moral de quem ignora a qualificação técnica de alguém nomeado para uma função técnica ?

Fica aqui o alerta para quem lê e confia nas notícias mancas, e o alerta para quem as produz: pode demorar, mas o povo terminará por não levar mais a sério aquilo que é escrito sem a devida seriedade.

Amo a liberdade de imprensa e reafirmo sua importância para uma democracia. Porém, é justo esperar que a própria imprensa zele por sua credibilidade, trazendo informação com lealdade.”

Sobre o autor:

William Douglas Resinente dos Santos (Rio de Janeiro, 4 de junho de 1967) é um professor e juiz federal brasileiro, autor de diversas obras nas áreas jurídica, autoajuda e relacionadas a concursos públicos.

É o autor dos best sellers “Como passar em provas e concursos”(Editora Impetus) e “As 25 leis bíblicas do sucesso” (Editora Sextante), que foi primeiro lugar nas mais importantes listas de mais vendidos do Brasil, publicado também em Portugal (ed. Self) e nos Estados Unidos (ed. Taller del Exito), em espanhol. Também tem livros publicados pelas editoras: Ediouro, Campus/Elsevir, Mundo Cristão e Thomas Nelson Brasil.

É pós-graduado em Politicas Públicas e Governo, pela COPPE/UFRJ, e mestre em Estado e Cidadania pela UGF.

Ele tem várias mensagens sobre carreira e fé:

Pode misturar fé com carreira?

Como mudar o mundo?

E a série sobre o cristão e o mercado de trabalho:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s